O que vem primeiro, carreira ou família?

Em uma era em que mais e mais pessoas acham difícil manter o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, é extremamente importante entender o questionamento em relação à carreira e à família em diferentes estágios da vida, reconhecendo os fatores que afetam positivamente as pessoas no alcance de suas metas profissionais ao mesmo tempo em que constrói uma família.

De acordo com o estudo do Indian Journal of Psychiatry (2010) , “é importante considerar o equilíbrio trabalho-vida pessoal como uma questão prioritária, fazendo mudanças apropriadas nas condições de trabalho, aumentando não só a produtividade das comunidades a longo prazo, mas também protegendo as malha social de nossa sociedade contra danos irreversíveis ”. Para entender a correlação entre carreira e construção da família, a Snapcart realizou, em março de 2018, um estudo entre pessoas de diferentes faixas etárias (15-24, 25-34, 35-44 e> 45), estágios de vida e status socioeconômico residentes em quatro países onde nossa plataforma atua , ou seja, Indonésia, Filipinas, Brasil e Cingapura. O número total de entrevistados foi 10.900; 5,800; 700 e 600, respectivamente.

Os brasileiros trabalham muito fora do expediente durante os fins de semana e feriados – os cingapurianos não

Quanto tempo as pessoas gastam no trabalho? A crença popular é que quanto mais “descontraído” o país é considerado, menos as pessoas se importam com o trabalho. Se olharmos para os quatro países que estamos analisando, Cingapura é frequentemente considerada uma cidade com mais estresse relacionado ao trabalho e um estilo de vida agitado, enquanto os outros três são mais “descontraídos”. Isto significa que indonésios, filipinos e brasileiros trabalham menos que os cingapurianos? Vamos dar uma olhada nos dados para descobrir.

Os dados analisados ​​mostram que a maioria dos entrevistados dos quatro países trabalham normalmente oito horas por dia, no entanto, se olharmos para os dados que apontam a percentagem das pessoas que trabalham em excesso durante a semana (trabalham mais de 8 horas), podemos ver que mais cingapurianos tendem a trabalhar demais durante a semana em comparação com outras nacionalidades analisadas. No entanto, os entrevistados dos outros três países tendem a trabalhar demais nos finais de semana e feriados, como mostra o gráfico. Assim, podemos concluir que os cingapurianos são mais orientados para a família em comparação aos outros três países, ou trabalham de forma mais produtiva e não precisam se preocupar muito com o trabalho fora do expediente nos fins de semana e feriados, podendo se dedicar mais tempo à família. Surpreendentemente, os brasileiros tendem a trabalhar fora das horas mais que os outros durante fins de semana e feriados. Talvez eles estejam mais rigorosos com suas carreira?

De fato, é quase impossível hoje em dia imaginar uma pessoa que não daria uma olhada em seu e-mail de trabalho ou responderia a algumas mensagens relacionadas a ele durante um feriado. Os dados do Snapcart comprovam isso totalmente. Isso mostra que a maioria de todos os entrevistados não consegue se desligar completamente do trabalho durante as férias, incluindo os cingapurianos. A maioria dos entrevistados gasta em torno de 5% ou menos de seu tempo de folga respondendo a e-mails, telefonemas, mensagens etc. relacionados ao trabalho. Assim, podemos dizer que todos os entrevistados, independentemente de seu país de origem, estão se sentem responsáveis com seus deveres de trabalho, mesmo em feriados. Além disso, isso significa que a carreira ainda desempenha um papel importante em nossa vida, certo?

Família se torna prioridade número um depois de ter filhos

Quão importante é para as pessoas ter uma carreira? Em uma sociedade globalizada e em mudança, as grandes aspirações de carreira parecem estar afetando a todos, inclusive as mulheres. Para ver como a carreira é importante para as pessoas e se as diferentes fases da vida têm valores diferentes, o Snapcart analisa os dados que mostram a atitude das pessoas que já têm filhos e que ainda não têm em conta os objetivos de sua carreira e prioridades na vida.

Quando questionados sobre quais metas de carreira mudarão depois de terem filhos, a maioria dos entrevistados indonésios e dos entrevistados das Filipinas disseram que eles acham que mudarão significativamente, enquanto o grande número de respondentes no Brasil e em Cingapura acredita que sua carreira e objetivos só mudarão um pouco após terem filhos. Isso significa que indonésios e filipinos estão pensando de forma mais realista? Pode ser que sim! Ou então, eles não estão se preocupando muito com a carreira agora e pensam que vão colocar mais esforços no futuro quando tiverem mais responsabilidades.

Ao olhar para a porcentagem dos entrevistados que pensam que ter filhos mudará completamente suas metas de carreira, é visto novamente que os indonésios e os filipinos têm a maior porcentagem. Assim, é evidente que mais brasileiros e cingapurianos que não têm filhos consideram as metas de carreira sua prioridade durante toda a vida (pelo menos antes de terem filhos) ou talvez a carreira não seja a sua principal prioridade e acreditam que ela continuará sendo a principal prioridade, mesmo depois de terem filhos.

Agora, vem a parte mais interessante e surpreendente. Os dados analisados ​​dos entrevistados que já têm filhos mostram que a maioria dos brasileiros, ao contrário de suas crenças no estágio de vida sem filhos, mudou completamente seus objetivos de carreira depois de ter filhos (38% destes são homens). Além disso, de acordo com os dados, um grande número de filipinos que mudou completamente seus objetivos de carreira para se concentrar em crianças são homens também. Isso significa que muitos brasileiros e filipinos (especialmente homens) estão mais preocupados com a família do que com os objetivos da carreira quando têm filhos. Além disso, os dados apontam que um grande número de indonésios e filipinos que têm filhos não mudaram suas metas de carreira. Isso provavelmente significa que os indonésios e filipinos podem ser melhores em encontrar um equilíbrio entre vida pessoal e profissional do que outros entrevistados, ou seja, brasileiros e cingapurianos. Eles também parecem ser naturalmente mais orientados para a família do que os cingapurianos e brasileiros, o que pode ajudá-los a encontrar o equilíbrio entre a vida profissional e a vida familiar, não alterando seus valores de forma significativa.

Se nos aprofundarmos nos dados para descobrir como exatamente as prioridades dos respondentes mudam, analisamos suas prioridades antes e depois de terem filhos. Os dados mostram que as prioridades dos entrevistados indonésios e filipinos antes de ter filhos eram Família, Trabalho e Saúde (sendo a família a principal prioridade), enquanto para os brasileiros e cingapurianos a ordem de prioridade era diferente, -trabalho, família, saúde. Em ambos os grupos, podemos ver que a saúde é apenas a prioridade número três, provavelmente porque a maioria dos entrevistados sem filhos ainda é jovem e saudável e, portanto, nem sequer pensa muito sobre isso. No entanto, depois de olhar para as três principais prioridades dos entrevistados que já têm filhos, é fácil ver que os dados são bem diferentes e, mais importante, o mesmo para todos os quatro países, ou seja, a família vai primeiro, a saúde vai segundo, e o trabalho fica em terceiro. Isso significa que depois que as pessoas têm filhos, o trabalho caiu da segunda prioridade para a terceira prioridade para indonésios e filipinos, enquanto para os cingapurianos ela caiu da primeira prioridade para a terceira prioridade. Isso significa que, depois de ter filhos, as pessoas inevitavelmente mudam suas prioridades e valorizam a família e a saúde mais do que o trabalho e a carreira. Também prova nossa hipótese no parágrafo anterior de que filipinos e indonésios são naturalmente mais orientados para a família.

O apoio do parceiro é o principal componente para ajudar a alcançar objetivos de carreira

Não é importante saber o que exatamente ajuda as pessoas a alcançar suas aspirações de carreira? Ao analisar os dados sobre quais fatores ajudam os entrevistados (que têm filhos e quem não tem) a atingir as metas de carreira, pode-se concluir que o suporte do parceiro e a disponibilidade de tecnologia são os dois principais componentes que ajudam os entrevistados dos quatro países a alcançar seus objetivos de carreira. Indonésios, brasileiros e cingapurianos sem filhos valorizam mais a disponibilidade de tecnologia do que o apoio de parceiros, porém, as situações mudam com as pessoas que têm filhos – os entrevistados dos quatro países afirmaram que o principal componente que os ajuda a atingir suas metas de carreira é o apoio de seus parceiros . Isso significa que ter filhos desafia os pais e eles precisam do apoio uns dos outros para superar as dificuldades e alcançar seus objetivos de carreira.

As mulheres podem ter tudo isso? Os cingapurianos não têm tanta certeza

Os entrevistados também foram questionados se as mulheres podem ter tudo (trabalho, saúde, família, amigos e lazer). Os dados revelam que ambos os grupos (sem filhos e com filhos) têm quase exatamente a mesma opinião sobre o assunto. A maioria (mais de 80%) dos indonésios e filipinos respondeu “absolutamente sim” a essa questão, enquanto os cingapurianos tendem a ser mais céticos sobre isso, porque um número menor (acima de 50%) respondeu “absolutamente sim” a essa questão . Isso significa que os cingapurianos são, em primeiro lugar, mais pessimistas em relação aos outros e, em segundo lugar, mais estressados ​​com a vida na Cidade dos Leões. Este último pode ser porque as despesas de vida são mais elevadas; cuidados médicos, escolas e creches também são bastante caros. Ao mesmo tempo, indonésios e filipinos são otimistas, e os dados mostram que até mesmo mulheres que já têm filhos demonstraram administrar seu tempo para que possam ter tudo.

De acordo com os dados analisados, podemos concluir que os cingapurianos e brasileiros são mais voltados para o trabalho antes de terem filhos, embora os cingapurianos surpreendentemente tendam a não trabalhar muito durante os fins de semana e feriados. A maioria dos entrevistados não considerou sua saúde como prioridade máxima antes de ter filhos. Enquanto isso, os indonésios e os filipinos parecem considerar a família como sua principal prioridade e muitos deles acham que ter filhos mudará completamente sua vida. De fato, os valores da maioria das pessoas nos quatro países mudaram depois de ter filhos, com a família se tornando a principal prioridade e o trabalho caindo para a 3ª posição depois da saúde. Isso significa que as pessoas começam a se sentir mais responsáveis ​​em relação à família e à saúde, ficando menos preocupadas com a carreira. Ter filhos também inevitavelmente traz seus desafios, e a maioria dos entrevistados começa a valorizar o apoio do parceiro mais do que qualquer outra coisa para alcançar os objetivos em sua carreira. Os filipinos e indonésios se sentem mais positivos e acreditam que as mulheres podem ter uma vida bem equilibrada, ao contrário dos cingapurianos que estão olhando mais negativamente para essa possibilidade.



Related Articles

Most Popular

Sign up for more actionable insights

Stay up to date with our latest findings